Jump to content
Sign in to follow this  
Perks

3 países Europeus (incluindo Portugal) propõem comparar pirataria a terrorismo ou pedofilia

Recommended Posts

Quote

 

Leak: Three EU countries join forces for restrictions & copyright chaos

Leaked documents concerning the Copyright Directive show that France, Spain and Portugal have joined forces in the Council of the European Union to attack the cornerstones of internet freedom in Europe.

The documents show that the three countries propose elevating fighting copyright violations to a special status – above combating terrorism, child abuse and serious online crime. This would put our fundamental rights on the line, and create legal chaos for service providers in Europe.

 

No more hosting services

Under existing rules, internet hosting companies are not liable for unauthorised content uploaded by their users, unless they fail to act quickly to remove that content, once they are informed about it. The proposal is to leave that law in place, but redefine the services provided by hosting providers so that pretty much nobody is covered by that legislation (the e-Commerce Directive).

How is this done?

Firstly, the leaked document says that any company that allows users to upload content  that could be copyrighted or subject to any property right (“other subject matter” such as, choreography, for example) is performing an act of “communication to the public”.

This means that the service provider is performing an activity that requires authorisation by rightsholders – unless at all times the provider can be sure that nothing that is, or could conceivably be, subject to a property right is being uploaded.

Specifically, the proposal is that companies “that store works or other subject-matter uploaded by their users and are actively involved in providing access to the public to such contents” should no longer be considered hosting companies, even if this is pretty much the definition of hosting. This means that hosting services (that optimise the content they store in any way) would need to carry out constant monitoring of everything that is uploaded to their services – and delete anything that might create a risk – as they will be directly liable for anything their users do.

Mandatory surveillance of all uploads

Having already made it virtually impossible to provide a hosting service without being licensed by all relevant collective rights management groups (film, audio, image, etc), the three countries go further: They demand that larger providers (those that store an undefined “significant” amount of material) should not only have to monitor everything that is being uploaded, but should also be required to “prevent the availability” of content that is identified by rightsholders (by using content identification and upload filtering). This would be flanked with an additional obligation to inform the multitude of rightsholders “on the functioning” of those measures.

 

Redress mechanisms?

A patently inadequate and complicated complaints mechanism is proposed in order to make the proposal seem balanced. Under this mechanism:

  • a user could complain to the provider who filtered out the content, who would process the complaint and;
  • pass it on to the rightsholder (who asked for the filtering to happen) who would process the complaint within a “reasonable” period of time and;
  • inform the provider, who would inform the user who may or may not be happy with the outcome, but has no more redress.
  • The rightsholders would have no liability for false claims of ownership.

It seems irrelevant to the French, Spanish and Portuguese that the European Court has ruled that it is unacceptable to impose a filtering obligation on providers if that filtering:

  • is of all electronic communications passing via its services; (as in this case)
  • applies indiscriminately to all its customers; (as proposed in this case)
  • is done as a preventive measure; (as proposed in this case)
  • is done exclusively at the provider’s expense; (as proposed in this case ) and
  • is done for an unlimited period; (as proposed in this case)

The Court also ruled against filtering by social media in the Netlog/Sabam case.

Another related leak from the Estonian Presidency reveals that it is letting the three countries set their agenda without interference. It seems that the Estonian Presidency is, again, choosing political expediency over the rights of European citizens and the free and open internet – and the Estonian ethos of a well-regulated, digital-friendly society. We have prepared a document to show how carefully the Estonian Presidency is following the three countries  that are proposing these extreme measures.

Duty of care

But France, Spain and Portugal’s approach to the Copyright Directive also risks creating chaos for another reason – clarity. The legal basis of the Directive in this case is to harmonise the EU single market. Once adopted, it has to be “transposed” into national law, leaving Member States considerable flexibility about how this is done. Directives need to be very clear to avoid divergent implementations in different Member States.

Directives consist of articles and explanatory “recitals”. The recitals proposed by the three countries are remarkable by any stretch of the imagination. The three countries propose enhancing this harmonisation by suggesting to the 27 Member States (and their 27 judicial systems)  that they can “expect” companies under their jurisdiction to enact an undefined “duty of care”. This would cover internet companies that are – and are not – communicating to the public and internet companies that are – or are not – covered by Article 14 (hosting services) of the E-Commerce Directive. The 27 Member States and their court systems, when implementing the Directive, would create and interpret the “expectation” of this “duty” that would encourage companies to implement undefined “appropriate and proportionate tools” to protect “works or other subject matter” when their services are “impacting” on the exploitation of copyrighted works.

These missing definitions and vague language (“significant”, “expect”, “duty”, “prevent”, “impacting”) would result in 27 different national laws (interpreted by 27 national court systems) in the EU on how this “duty of care” would be implemented. The only point of consistency would be that this would apply only to copyrighted content (and, of course, “other subject matter”). As a reminder: Content that is considered less important by the EU Council, like terrorism (nothing similar was approved in the terrorism Directive adopted earlier in 2017) or child exploitation (nothing similar was approved in the child exploitation Directive adopted in 2011) would not be subject to this unclear “duty” and existing rules would continue to apply.

This proposal is great news – but only for a few!

  • It is great news for service providers outside the EU that can take over the EU hosting market once EU companies are driven out;
  • and it is great news for repressive regimes that are already pointing to EU policy and practices to justify their internet crackdowns.

Yet, it is less good news for fundamental rights, privacy, freedom of expression, European companies, victims of repressive regimes, or the rule of law.

Leaked document: Amendment from ES, FR, PT to the recitals 37, 38, 39 and Article 13 on the value gap
http://statewatch.org/news/2017/oct/eu-copyright-dir-WK-10644-17.pdf

Comparison: Spain, Portugal and France’s demands – Estonian Presidency document
https://edri.org/files/copyright/20171026-comparedtexts.pdf

Leaked document: Presidency Flash – Copyright Working Party 17/18 October 2017
http://statewatch.org/news/2017/oct/eu-copyright-Pres-Council-Agenda-WK-11269-17.pdf

Copyright reform: Document pool
https://edri.org/copyright-reform-document-pool/

 

https://edri.org/leak-three-eu-countries-join-forces-to-stamp-out-free-speech-online/

 

Quote

https://www.reddit.com/r/portugal/comments/7b5cwy/portugal_espanha_e_frança_querem_elevar_a/dpfeypg/

 

  • Facepalm 4

Share this post


Link to post
Share on other sites

à vante? Cruzes, credo, bacoradas dessas também deviam ser equiparadas a terrorismo.

  • Like 2

Share this post


Link to post
Share on other sites
6 minutes ago, Perks said:

ajudem aí, vamos Spammar os melros

 

Já enviei. Os jornais nacionais já começaram a espalhar a noticia? Caso contrario também tinha logica enviarmos para os mesmos. 

Share this post


Link to post
Share on other sites

Quando somos liderados por lobbies dá nestas coisas entupidas. Nos últimos anos reduzi muito o consumo de conteúdos piratas, principalmente devido a plataformas como o Netflix e Spotify. A sensação que tenho é que não sou um caso isolado, bem pelo contrário, o que significa que as pessoas estão dispostas a pagar um preço justo pelo acesso aos conteúdos. Claro que haverá sempre quem consuma conteúdos ilegais, mas se em vez de os esforços (e dinheiro) gasto a combater a pirataria fosse canalizado para as editoras e distribuidores de conteúdos reverem os seus modelos de negócio e entenderem como o mercado tem recebido de forma positiva as plataformas de streaming acredito que teriam muito melhores resultados. 

Share this post


Link to post
Share on other sites

Eu não necessito de piratear música porque tenho meo music.

Em relação a TV uso a app TV Terrarium, streaming, e claro, futebol via acestream.

No dia em que consigam barrar o streaming pirata futebol deixo de ver claro, TV é questão de ver a oferta disponível no mercado. As plataformas tipo Netflix não têm tudo e fica caro subscrever várias. A nível de filmes os próprios operadores têm um videoclube na BOX que passa quase tudo.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Pessoalmente também reduzi a pirataria drásticamente. Aliás, agora é mesmo um ou outro ep de uma série e um ou outro filme. Jogos não chega a 5% do que foi outrora e música o Spotify abafou...
Mas ya isto vai dar guito a alguém, por isso ainda se avança. Ainda para mais numa altura em que a "guerra" já tinha começado a ser perdida aqui e ali em casos pontuais de juizes que decretavam que não havia "crime"...

Btw, @Perks dizer "Portugal, Espanha e França" ocupa menos que dizer "3 países Europeus (incluindo Portugal)" :P

Share this post


Link to post
Share on other sites

Claro que os serviços existentes não tem tudo, mas vieram provar que é possível implementar modelos de negócio rentáveis e justos.

Hoje em dia para se ver um filme de forma legal temos de ir ao cinema, comprar o DVD ou alugar. Tirando o cinema, pela experiência proporcionada, os outros modelos são completamente retrógradas. Tirando versões de coleccionador quem quer ter caixas de plástico e CD's em casa? Pagar 4€ ou 5€ para poder ver um filme em casa? Não fazem sentido! Por exemplo, alugo 2 filmes e já estou a pagar o que pago pelo Netflix mensalmente e tenho acesso ilimitado. Conheço muito poucas pessoas que aluguem filmes e as que conheço fazem-o de forma muito pontual, como eu já fiz. Se este tipo de conteúdos fosse disponibilizado num serviço e preço tipo Netflix acredito que teriam milhões de subscritores e iriam fazer muito mais dinheiro do que fazem actualmente com a venda de DVD's e aluguer de filmes.

Em relação aos canais de desporto penso que a questão é diferente. Eu não considero a SportTV um serviço caro para os conteúdos que transmite. O problema é que as pessoas não tem interesse ou não consomem todos esses conteúdos, mas que a SportTV tem de pagar os direitos desses produtos. Talvez fosse positivo pensar-se na segmentação de conteúdos e a possibilidade de as pessoas construirem pacotes ajustados às suas necessidades. Por exemplo, se fosse disponibilizado um pacote só com a Liga Portuguesa por 5€ quantas pessoas que agora não tem SportTV iriam subscreve-lo? Ou um pacote de futebol, com várias ligas, por 10€? 

O grande problema é que as grandes empresas tem muita dificuldade em se adaptar e em arriscar novos modelos.

  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites

Não fossem as streams , não via metade das series que vejo , não fosse as streams de Futebol não via 90% dos jogos ! A pritaria de uma forma ajuda a aumentar a popularidade das coisas e inflaciona o Hype , que se não houver streams de futebol que vou aderir á sportv (comigo bem se fodem !) se pensam que por não poder ver 4 ou 5 series que gosto que vou ter 3 ou 4 servicos de stream diferentes ou comprar em formato digital (bem se fodem !) pelo menos comigo , e acredito que como eu há muita gente , o problema é que esta gente andou o anos a fio a enchaer o cu de dinheiro a agora acabou a mama, e não me refiro a artistas ,refiro-me a empresas discograficas , falem com artistas dos noas 80 e 90 e vejam como eram uma sange sugas a explorar e chupar guita até ao tutano , há que se esqueca que que um cd á 20 anos custava cerda de 17€  naquela tempo era bem caro , e como não havia youtube para saber o que estavas a comprar muitas vezes eram barretes , 2 musicas boas e o resto merda !

 

Share this post


Link to post
Share on other sites
14 minutes ago, DanielAmorim said:

Claro que os serviços existentes não tem tudo, mas vieram provar que é possível implementar modelos de negócio rentáveis e justos.

Hoje em dia para se ver um filme de forma legal temos de ir ao cinema, comprar o DVD ou alugar. Tirando o cinema, pela experiência proporcionada, os outros modelos são completamente retrógradas. Tirando versões de coleccionador quem quer ter caixas de plástico e CD's em casa? Pagar 4€ ou 5€ para poder ver um filme em casa? Não fazem sentido! Por exemplo, alugo 2 filmes e já estou a pagar o que pago pelo Netflix mensalmente e tenho acesso ilimitado. Conheço muito poucas pessoas que aluguem filmes e as que conheço fazem-o de forma muito pontual, como eu já fiz. Se este tipo de conteúdos fosse disponibilizado num serviço e preço tipo Netflix acredito que teriam milhões de subscritores e iriam fazer muito mais dinheiro do que fazem actualmente com a venda de DVD's e aluguer de filmes.

Em relação aos canais de desporto penso que a questão é diferente. Eu não considero a SportTV um serviço caro para os conteúdos que transmite. O problema é que as pessoas não tem interesse ou não consomem todos esses conteúdos, mas que a SportTV tem de pagar os direitos desses produtos. Talvez fosse positivo pensar-se na segmentação de conteúdos e a possibilidade de as pessoas construirem pacotes ajustados às suas necessidades. Por exemplo, se fosse disponibilizado um pacote só com a Liga Portuguesa por 5€ quantas pessoas que agora não tem SportTV iriam subscreve-lo? Ou um pacote de futebol, com várias ligas, por 10€? 

O grande problema é que as grandes empresas tem muita dificuldade em se adaptar e em arriscar novos modelos.

Ora aí está.

Se eu puder adquirir um pacote com jogos de futebol das equipas que gosto por meia dúzia de euros talvez o faça. Subscrever um serviço completo tipo sportv nunca o vou fazer.

 O mesmo para filmes e séries.

Share this post


Link to post
Share on other sites

vi marinho e pinto, fiquei logo a pensar, o que quer o atrasado mental

espera ai que vou mesmo pagar para ver séries e filmes
hoje em dia o volume de download que faço é muito menor, antigamente um gajo sacava montes de tretas, algumas nem valiam a pena
a única coisa que vejo em stream é a bola, de resto continuo a sacar calmamente

tou mesmo a ver a malta do hosting a ver os uploads que o pessoal faz para os servers, além que viola a privacidade

Edited by cRaZyzMaN

Share this post


Link to post
Share on other sites

Eu não vou pagar por nada, se depois ainda vou comer com publicidade em cima. E quando tem que ser acho absurdo. Quando pago para ir ao cinema, pago para ver um filme, e não para assistir a quase 20 mins de publicidade antes do filme começar. Aqui na holanda o filme começa quase sempre à hora, a não ser que haja trailers. Por isso é que quando aparece um serviço que trata bem os clientes, as pessoas consomem. Até ha uns anos, a maneira mais facil de consumir qualquer conteúdo era sacar. Era quase a única maneira de ter tudo digital. Hoje já não é preciso.

Posto isto, acho um pouco ridículo o quao pouco se paga pelo spotify. Para o que é, devia ser o dobro para poderem pagar como deve ser aos artistas. E como não ha concorrencia, os artistas nao tem outra escolha. No youtube também acontece, como é à borla para os consumidores, todos os criadores estão sujeitos a montes de merda que têm de aturar para não perder ad revenue. 

Portanto, passámos todos a consumir legalmente, mas o dinheiro não foi parar aos artistas e criadores, mas sim às plataformas.

Edited by cursed

Share this post


Link to post
Share on other sites

A única série que saco por não estar no Netflix é GoT. De resto só vejo o que está lá.

Estes lobbies podem ir todos pa puta que os pariu.

Share this post


Link to post
Share on other sites
25 minutes ago, airjoca said:

A única série que saco por não estar no Netflix é GoT. De resto só vejo o que está lá.

Estes lobbies podem ir todos pa puta que os pariu.

Infelizmente falta muita coisa ao Netflix em Portugal. E muitas series que tem, o atraso costuma ser grande. Quando tive os meses de borla, lembro-me que o The 100 por exemplo, faltava as 2 ultimas Seasons ou algo do genero.

  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites

Create an account or sign in to comment

You need to be a member in order to leave a comment

Create an account

Sign up for a new account in our community. It's easy!

Register a new account

Sign in

Already have an account? Sign in here.

Sign In Now
Sign in to follow this  

  • Recently Browsing   0 members

    No registered users viewing this page.

×

Important Information

We have placed cookies on your device to help make this website better. You can adjust your cookie settings, otherwise we'll assume you're okay to continue.