Jump to content

The Panama Papers


Perks
 Share

Recommended Posts

Quote

About the Panama Papers

 

 

Over a year ago, an anonymous source contacted the Süddeutsche Zeitung (SZ) and submitted encrypted internal documents from Mossack Fonseca, a Panamanian law firm that sells anonymous offshore companies around the world. These shell firms enable their owners to cover up their business dealings, no matter how shady.

In the months that followed, the number of documents continued to grow far beyond the original leak. Ultimately, SZ acquired about 2.6 terabytes of data, making the leak the biggest that journalists had ever worked with. The source wanted neither financial compensation nor anything else in return, apart from a few security measures.

The data provides rare insights into a world that can only exist in the shadows. It proves how a global industry led by major banks, legal firms, and asset management companies secretly manages the estates of the world’s rich and famous: from politicians, Fifa officials, fraudsters and drug smugglers, to celebrities and professional athletes.

A group effort

The Süddeutsche Zeitung decided to analyze the data in cooperation with the International Consortium of Investigative Journalists (ICIJ). ICIJ had already coordinated the research for past projects that SZ was also involved in, among them Offshore Leaks, Lux Leaks, and Swiss Leaks. Panama Papers is the biggest-ever international cooperation of its kind. In the past 12 months, around 400 journalists from more than 100 media organizations in over 80 countries have taken part in researching the documents. These have included teams from the Guardian and the BBC in England, Le Monde in France, and La Nación in Argentina. In Germany, SZ journalists have cooperated with their colleagues from two public broadcasters, NDR and WDR. Journalists from the Swiss Sonntagszeitung and the Austrian weekly Falter have also worked on the project, as have their colleagues at ORF, Austria’s national public broadcaster. The international team initially met in Washington, Munich, Lillehammer and London to map out the research approach.

Making of

 

The data

The Panama Papers include approximately 11.5 million documents – more than the combined total of the Wikileaks Cablegate, Offshore Leaks, Lux Leaks, and Swiss Leaks. The data primarily comprises e-mails, pdf files, photo files, and excerpts of an internal Mossack Fonseca database. It covers a period spanning from the 1970s to the spring of 2016. 

Moreover, the journalists crosschecked a large number of documents, including passport copies. About two years ago, a whistleblower had already sold internal Mossack Fonseca data to the German authorities, but the dataset was much older and smaller in scope: while it addressed a few hundred offshore companies, the Panama Papers provide data on some 214,000 companies. In the wake of the data purchase, last year investigators searched the homes and offices of about 100 people. The Commerzbank was also raided. As a consequence of their business dealings with Mossack Fonseca, Commerzbank, HSH Nordbank, and Hypovereinsbank agreed to pay fines of around 20 million euros, respectively. Since then, other countries have also acquired data from the initial smaller leak, among them the United States, the UK, and Iceland.

D9BlRyY.png

The system

The leaked data is structured as follows: Mossack Fonseca created a folder for each shell firm. Each folder contains e-mails, contracts, transcripts, and scanned documents. In some instances, there are several thousand pages of documentation. First, the data had to be systematically indexed to make searching through this sea of information possible. To this end, the Süddeutsche Zeitung used Nuix, the same program that international investigators work with. Süddeutsche Zeitung and ICIJ uploaded millions of documents onto high-performance computers. They applied optical character recognition (OCR) to transform data into machine-readable and easy to search files. The process turned images – such as scanned IDs and signed contracts – into searchable text. This was an important step: it enabled journalists to comb through as large a portion of the leak as possible using a simple search mask similar to Google.

The journalists compiled lists of important politicians, international criminals, and well-known professional athletes, among others. The digital processing made it possible to then search the leak for the names on these lists. The "party donations scandal" list contained 130 names, and the UN sanctions list more than 600. In just a few minutes, the powerful search algorithm compared the lists with the 11.5 million documents.

The research

For each name found, a detailed research process was initiated that posed the following questions: what is this person’s role in the network of companies? Where does the money come from? Where is it going? Is this structure legal?

Generally speaking, owning an offshore company is not illegal in itself. In fact, establishing an offshore company can be seen as a logical step for a broad range of business transactions. However, a look through the Panama Papers very quickly reveals that concealing the identities of the true company owners was the primary aim in the vast majority of cases. From the outset, the journalists had their work cut out for them. The providers of offshore companies – among them banks, lawyers, and investment advisors – often keep their clients’ names secret and use proxies. In turn, the proxies’ tracks then lead to heads of state, important officials, and millionaires. Over the course of the international project, journalists cooperated with one another to investigate thousands of leads: they examined evidence, studied contracts, and spoke with experts.

Among others, Mossack Fonsecas’ clients include criminals and members of various Mafia groups. The documents also expose bribery scandals and corrupt heads of state and government. The alleged offshore companies of twelve current and former heads of state make up one of the most spectacular parts of the leak, as do the links to other leaders, and to their families, closest advisors, and friends. The Panamanian law firm also counts almost 200 other politicians from around the globe among its clients, including a number of ministers.

The company

The company at the center of all these stories is Mossack Fonseca, a Panamanian provider of offshore companies with dozens of offices all over the world. It sells its shell firms in cities such as Zurich, London, and Hong Kong – in some instances at bargain prices. Clients can buy an anonymous company for as little as USD 1,000. However, at this price it is just an empty shell. For an extra fee, Mossack Fonseca provides a sham director and, if desired, conceals the company’s true shareholder. The result is an offshore company whose true purpose and ownership structure is indecipherable from the outside. Mossack Fonseca has founded, sold, and managed thousands of companies. The documents provide a detailed view of how Mossack Fonseca routinely accepts to engage in business activities that potentially violate sanctions, in addition to aiding and abetting tax evasion and money laundering.

About Süddeutsche Zeitung

Headquartered in Munich, Süddeutsche Zeitung (SZ) is one of Germany’s leading newspapers. SZ has a total readership of 4.4 million for its print and online media. Its investigative journalism team counts five people, three of which are members of the International Consortium of Investigative Journalists (ICIJ). The Süddeutsche Zeitunghas won a number of prestigious awards for its research work. Its team has cooperated with other media organizations on a number of projects, including Offshore Leaks, Swiss Leaks, and Lux Leaks, which ICIJ coordinated. At the beginning of 2015, an anonymous source began sending the Süddeutsche Zeitung data from Mossack Fonseca, a provider of offshore companies. This marked the beginning of the Panama Papers project.

 

http://panamapapers.sueddeutsche.de/articles/56febff0a1bb8d3c3495adf4/

TL:DR

2,6TB de dados foram revelados a jornalistas suíços de forma anónima, quem implicam milhares de políticos, celebridades, Atletas com esquemas sofisticados de fuga e branqueamento de capitais. ALguns nomes que já se sabem incluem o gabinete do Putin, Jachie Chan, Leonel Messi, o actual primeiro ministro Islandês e mais de metade do seu gabinete, Rei da Arábia saudita, 1º ministro Paquistanês, Presidente Chinês,  muita gente na FIFA, 1º Ucraniano, A UBS criou mais de 1100 empresas offshore através da Mossack Fonseca. O HSBC e os seus associados criaram mais de 2300.

 

Chega ao ponto de detalhar o famoso assalto de Heatrow em que roubaram 50 milhões em Ouro e como foi feita a lavagem do dinheiro

 

neste momento já noticia nos principais media mundiais

  • Like 1
Link to comment
Share on other sites

qd vi isto a reaccão foi ! Mais um lol ! Toda a gente sabe que este  tipo de coisas acontecem, com ou sem provas , mas qd não há punicão e o crime compensa  , este tipo de noticias  torna-se banal !

Link to comment
Share on other sites

Quote

Panama Papers: Irmão do português na lista diz que notícia “foi murro no estômago”

06:50 Lígia Simões

ligia.simoes@economico.pt

O empresário português Idalécio Oliveira, CEO do grupo Lusitana, controla 14 empresas ‘offshores’ que aparecem na lista dos ‘Panama Papers’.

Idalécio de Castro Rodrigues de Oliveira é um empresário português, investigado no âmbito da operação 'Lava Jato, que aparece na lista de figuras identificadas na investigação 'Panama Papers' - uma operação que envolve o Consórcio Internacional de Jornalistas de Investigação (CIJI) e que, este domingo, iniciou a divulgação de milhões de documentos que revelam um complexo esquema de ‘offshores’ envolvendo centenas de personalidades, entre chefes de Estado, políticos, banqueiros, criminosos, actores e até jogadores de futebol que usaram paraísos fiscais para esconder dinheiro e património.

O Económico falou com Jorge Oliveira, irmão do empresário português de Vouzela, para quem a notícia de que Idalécio Oliveira consta na lista de ‘offshores’ foi um “murro no estômago”. Jorge Oliveira garante desconhecer na totalidade os negócios do dono do conglomerado Lusitania Group, formadopor 14 empresas sediadas nas Ilhas Virgens Britânicas e em mais paraísos fiscais.

Os ficheiros dos 'Panama Papers', que representam a maior fuga de informação de que há registo sobre paraísos fiscais, estão a marcar a actualidade. Os cerca de 2,6 terabytes de informação têm origem na base de dados da Mossack Fonseca, uma das maiores empresas mundiais de advocacia especializada em paraísos fiscais que administra empresas 'offshore' e faz gestão de fortunas.

É nos registos electrónicos da Mossack Fonseca, sediada no Panamá, que surge o nome do português: Idalécio Castro Rodrigues de Oliveira, que terá transferido dinheiro para políticos investigados pela operação ‘Lava Jato’. A Mossack Fonseca terá criado 107 sociedades em ‘offshores’ para, pelo menos, 57 indivíduos já publicamente relacionados com aquele esquema de corrupção no Brasil.

O nome do português é citado nos 11,5 milhões de documentos revelados neste domingo pelo Süddeutsche Zeitung e pelo CIJI, destacando os seus interesses empresariais relacionados com os sectores de exploração de petróleo, gás natural e minérios.

Idalécio Oliveira saiu há mais de 35 anos de Portugal, conta o seu irmão, Jorge Oliveira. "Foi um murro no estômago. Não tenho a noção do que se está a passar”, comentou. Depois de garantir que desconhece na totalidade o envolvimento do nome do irmão na lista ‘Panamá Papers’ Jorge Oliveira dá conta que entrou em contacto telefónico com o seu irmão Idalécio, tendo este transmitido ser “um assunto dele e que resolverá com quem de direito na altura certa”.

Sociedades em Portugal

Questionado sobre a sociedade com o seu irmão, Idalécio Oliveira, e sobrinho, Paulo Guilherme Galiere Rodrigues de Oliveira – que aparece como sócio de Idalécio em várias empresas ‘offshore’ divulgadas pelo ICIJ – na empresa All 4x4, Jorge Oliveira garantiu ao Económico que esta empresa de comércio de peças e acessórios todo-o-terreno, constituída em 2003, “encerrou em 2012”.

Já sobre outra empresa, onde a mulher de Paulo Oliveira, Cândida Oliveira, aparece como sócia gerente da Unumnatura – gestão e exploração hoteleira, que tem como marca própria a Quinta do Fontelo, em Vouzela, Jorge Oliveira afirma desconhecer que Tiago Oliveira (irmão de Paulo Oliveira) seja sócio da sociedade que foi criada em Maio de 2014.

Paulo, o filho de Idalécio Oliveira - que aparece como sócio em várias das ‘offshores’ – é ainda sócio da sua mulher, Cândida Oliveira, numa empresa de serviços de consultoria: a Scope, com sede no edifício Tower Plaza, em Vila Nova de Gaia e criada recentemente, a 2 de Junho de 2015, contando apenas com um empregado.

Negócios de petróleo e subornos

O empresário de Vouzela é dono do conglomerado, Lusitania Group, composto por 14 empresas sediadas nas Ilhas Virgens Britânicas e em outros paraísos fiscais, entre 2003 e 2011. A maioria das empresas de Rodrigues de Oliveira - 12 das 14 - foi criada apenas alguns meses antes de um negócio com a Petrobras que passou pela venda a esta petrolífera brasileira de metade dos direitos de exploração num campo de petróleo que uma das suas empresas detinha no Benim, num negócio realizado em Fevereiro de 2011.

Segundo a UOL, um dos cem meios de comunicação envolvidos na investigação, Idalécio solicitou ao escritório de advogados Mossack Fonseca a criação da Lusitania Petroleum Holding Limited, nas Ilhas Virgens, a 19 de Julho de 2010. Sete meses depois, a Petrobras comprou o campo em Benim, mas não encontrou petróleo.

Na sequência do negócio de venda de licenças para explorar petróleo em África, o ICIJ dá conta de que o português transferiu 10 milhões de dólares (8,8 milhões de euros) para uma conta num banco suíço de João Augusto Rezende Henriques, um lobista do partido PMBD que está envolvido no ‘Lava Jato’. Uma operação que terá sido feita electronicamente por intermédio de uma empresa registada pela Mossack Fonseca, em 2010, nas ilhas Seychelles – a Acona International Investments Limited.

João Augusto Rezende Henriques terá depois transferido 1,5 milhões de dólares (1,3 milhões de euros) para a conta de Eduardo Cunha. O político brasileiro, segundo o ICIJ, tem negado as acusações e disse recentemente aos jornalistas que não está "preocupado" com as investigações. As operações da Mossack Fonseca só começaram a ser investigadas no Brasil em Janeiro deste ano (na Alemanha, aconteceu na mesma altura). E os procuradores brasileiros não hesitam em classificar a empresa como uma “grande branqueadora de capitais”.

Em Maio de 2011, Idalécio Oliveira respondeu ao departamento de compliance da Mossack dizendo que seus negócios envolviam, na ocasião, minas na África e no Brasil e exploração de petróleo em África. Sinalizou, na altura, a sua entrada em breve na exploração de petróleo no Brasil e na Ásia.

O braço brasileiro das operações de Idalécio Oliveira é a Lusitania Geosciences S.A, sediada no Rio e criada em Julho 2011. O presidente da empresa é o filho Paulo Guilherme Galiere Rodrigues de Oliveira - aparece como sócio de Idalécio em várias empresas ‘offshore’. 

Quais são as 14 ‘offshores’ do português na lista ‘Panama Papers’

De Junho de 2010 a Maio de 2011, Idalécio adquiriu ou transferiu para a Mossack Fonseca 14 companhias offshore. São as seguintes:

. NRI – Natural Resources Investments S.A (referida em Setembro de 2009, novo poder emitido em Maio de 2011)
. Viriato Investments Limited (Jun. 2010)
. Herminius Mons Investments Limited (Jul. 2010)
. ICM – International Consultancy & Marketing S.A (Maio 2011)
. Lusitania Mining (Holding) Limited (Jun. 2010)
. Lusitania Mining (BB) Limited (Dez. 2010)
. Lusitania Mining (CK) Limited (Jan. 2011)
. Lusitania Mining (MN) Limited (Jun. 2010)
. Lusitania Geosciences Limited (Jun. 2010)
. Lusitania Petroleum (Holding) Limited (Jun. 2010)
. Lusitania Petroleum (BC) Limited (Jun. 2010)
. Lusitania Petroleum (CK) Limited (Jun. 2010)
. Lusitania Petroleum (NW) Limited (Jul. 2010)
. PLS International Global Ltd (Jun. 2010)

 

Link to comment
Share on other sites

Na Rússia não vai acontecer nada de certeza. E no resto do mundo também não me parece sinceramente, são capazes de cair alguns bodes expiatórios porque há que sacrificar alguém para ficar bem na fotografia mas de maneira geral vai continuar tudo na mesma.

Link to comment
Share on other sites

Quote

O que se vai sabendo sobre os "Papéis do Panamá"

05.04.2016 às 9h55

 

Altas figuras da Frente Nacional, de França, terão usado o Panamá para fazer sair dinheiro do país. O presidente argentino nega ilegalidades. A VISÃO continua a compilar as principais reações e consequências da mega-fuga de informação divulgada pelo Consórcio Internacional de Jornalistas de Investigação

PRÓXIMOS DE LE PEN USAM 'OFFSHORE' PARA TIRAR DINHEIRO DE FRANÇA

Figuras muito próximas da líder da Frente Nacional francesa terão montado um "sistema sofisticado" de utilização de praças "offshore" para fazer sair dinheiro de França, avança hoje o jornal Le Monde, baseando-se no caso dos "Papéis do Panamá".

De acordo com o diário francês, elementos do "primeiro círculo de fiéis" de Marine Le Pen "puseram em prática um sistema 'offshore' sofisticado" para tirar dinheiro de França.

"O sistema, entre Hong Kong, Singapura, as Ilhas Virgens Britânicas e o Panamá", foi "utilizado para fazer sair dinheiro de França, através de sociedades fictícias e de faturas falsas, com o objetivo de escapar aos meios franceses para evitar o branqueamento de capitais", adianta o jornal. (Fonte: Lusa)

PRESIDENTE ARGENTINO NEGA QUALQUER ILEGALIDADE

O Presidente da Argentina, Mauricio Macri, mencionado, com o pai, nos designados "Papéis do Panamá", negou, na segunda-feira, qualquer ilegalidade.

Mauricio Macri disse que a constituição da empresa Fleg Trading, de que foi diretor e é referida na lista, foi "legal" e que "não houve nada de estranho" nessa operação.

"No caso particular que a mim me compete, é uma operação legal, feita por outra pessoa, constituindo uma sociedade 'offshore' para investir no Brasil, um investimento que finalmente não foi feito enquanto eu fui diretor", disse numa entrevista ao diário La Voz del Interior.

O chefe de Estado argentino, que assumiu a presidência em dezembro passado, depois de uma carreira no grupo empresarial do pai - o italiano Franco Macri -, e como dirigente desportivo, explicou que a sociedade, constituída nas Bahamas, deixou de operar em 2008 "porque não realizou o investimento" planeado no Brasil.

"Não há nada de estranho nessa operação", insistiu Macri, garantindo que a mesma foi declarada na Direção Geral de Impostos da Argentina porque o seu pai criou essa sociedade "com recursos genuínos que tinha na Argentina".

Por sua vez, Franco Macri disse que o seu filho mais velho não teve participação no capital da Fleg Trading, empresa que aparece mencionada nos "Papéis do Panamá".

Franco Macri disse em comunicado que essa sociedade era propriedade sua e que foi "devidamente declarada perante as autoridades competentes, em especial, às autoridades fiscais na República Argentina". (Fonte: Lusa)

PETRO POROSHENKO NÃO VAI SER INVESTIGADO:

O jornal alemão Süddeutsche Zeitung diz que não haverá uma investigação oficial contra o presidente ucraniano Petro Poroshenko. As leis do país não permitem que um presidente em funções seja investigado por uma agência de anti-corrupção.

(Fonte: http://www.sueddeutsche.de/politik/panama-papers-panama-papers-setzen-weltweit-ermittler-in-bewegung-1.2932195)

No Twitter, Petro Poroshenko declarou-se o primeiro responsável da Ucrânia que leva a sério temas como a declaração de bens, os impostos e conflitos de interesse"

PRESSÃO NA ISLÂNDIA

O primeiro-ministro, Sigmundur David Gunnlaugsson, está a ser pressionado para se demitir. Mais de 16 mil islandêses já assinaram uma petição para que o primeiro-ministro se demita. A oposição diz que vai avançar com uma moção de censura ainda esta semana, mas o chefe do Governo já comunicou, na televisão, que não abandona o cargo. Gunnlaugsson pediu, no entanto, desculpas ao povo islandês.

Para seguia a manifestação em frente ao Parlamento, em direto: https://www.youtube.com/watch?v=qMT2zZcvIi8

PUTIN COMO ALVO

Um porta-voz do Kremlin de Moscovo diz que, "apesar de Putin não aparecer diretamente nos documentos, e apesar de outros países e líderes serem mencionados, é claro que o alvo de informações como estas é o presidente, especialmente tendo em conta as próximas eleições parlamentares e, em última instância, as eleições presidenciais, daqui a dois anos." Em causa estará uma rede de negócios em off-shores e empréstimos no valor de 2 mil milhões de dólares

(Fonte: http://sputniknews.com/politics/20160404/1037446417/kremlin-panama-leak.html#ixzz44r7FPOPs)

O QUE SÃO OS PANAMA PAPERS?

São cerca de 11 milhões de documentos e 2,6 terabytes de informação ligados à empresa Mossack Fonseca, sediada no Panamá e especializada em off-shores.

EM NÚMEROS:

- 4,7 milhões de emails;

- 3 milhões de informações em base de dados;

- 2 milhões de documentos em formato PDF;

- 1 milhão de imagens;

- meio milhão de mensagens.

Em causa estão políticos de todo o mundo, além de celebridades e banqueiros que ocultaram fortunas para fugir ao fisco.

ATÉ AGORA, SABE-SE QUE ESTÃO ENVOLVIDOS, ENTRE OUTROS:

- Vladimir Putin, presidente da Rússia, bem como o seu grupo de amigos e alidados;

- O Presidente da Argentina, Mauricio Macri;

- O primeiro-ministro da Islândia, Sigmundur David Gunnlaugsson, que abandonou uma entrevista à televisão sueca SVT;

- O presidente da Ucrânia, Petro Poroshenko;

- O primeiro-ministro do Paquistão, Nawaz Sharif;

- O rei da Arábia Saudita, Salman Bin Abdulaziz;

- O pai do primeiro-ministro britânico David Cameron, Ian Donald Cameron;

- O filho do ex-secretário geral da ONU Kofi Annan, Kojo Annan;

- O futebolista Lionel Messi;

- O ator Jackie Chan;

- O ex-presidente da UEFA Michel Platini

- O atual presidente do Partido Comunista Chinês, Xi Jinping, e pelo menos 8 atuais ou antigos membros do partido

Há ainda um português envolvido: Idalécio de Castro Rodrigues de Oliveira, dono do Lusitania Group, sediado nas Ilhas Virgens Britânicas. Terá transferido dinheiro para políticos envolvidos no caso Lava Jato.

Até agora não se sabe quantos norte-americanos estão envolvidos. No entanto, uma fonte do jornal alemão Süddeutsche Zeitung disse que é uma questão de tempo, apontado para a possibilidade de haver vários americanos envolvidos.

NA LISTA NEGRA DO TERRORISMO:

O diário israelita Haaretz diz que das empresas e pessoas divulgadas, 33 estão na lista negra dos Estados Unidos por fazerem parte de organizações terroristas e por serem acusadas de evitar sanções económicas.

(Fonte: http://www.haaretz.com/world-news/1.712497)

http://visao.sapo.pt/actualidade/mundo/2016-04-05-O-que-se-vai-sabendo-sobre-os-Papeis-do-Panama?utm_source=newsletter&utm_medium=mail&utm_campaign=newsletter&utm_content=2016-04-05

Quote

Panamá: HSBC criou mais de 2300 offshore

04.04.2016 às 16h19

 

Mais de 500 bancos estão implicados na criação de sociedades offshores. Além de esconderem dinheiro do fisco, facilitam o branqueamento de capitais. Conheça a lista das 10 instituições financeiras que mais empresas offshore usaram.

Os grandes bancos, offshores e escritórios de advogados são os três vértices de um triangulo que movimentam milhões à volta do planeta, com o objetivo de despistar, na maioria das vezes, a origem e o destino do dinheiro. Desta forma, escondem-se fortunas, criam-se empresas fictícias, arranjam-se testas de ferro para esconder os verdadeiros protagonistas, possibilita-se a fuga aos impostos e lava-se o dinheiro proveniente de negócios ilícitos, como tráfico de armas ou de drogas.

Os documentos do Panamá, agora revelados pelo ICIJ, um consórcio internacional de jornalistas de investigação, mostram que, mais uma vez, os bancos nem sempre cumprem as obrigatoriedades impostas pela lei de assegurar que os seus clientes não estão envolvidos em atos criminosos e que o dinheiro não é proveniente de negócios ilícitos ou outras práticas de corrupção. Pelo contrário, o ICIJ afirma ter várias provas de que são os principais bancos do sistema mundial a facilitar a transação para as offshores, de modo a proteger os clientes e seus negócios e a possibilitar a manipulação de documentos oficiais.

De acordo com o ICIJ, os documentos a que tiveram acesso a partir de um escritório de advogados – o Mossack Fonseca – revelam que mais de 500 entidades bancárias e suas subsidiárias registaram, a partir desse escritório do Panamá, perto de 15 600 empresas petrolíferas. Só o suíço HSBC (que ainda recentemente foi implicado num dos maiores processos globais de fuga ao fisco) e suas afiliadas criaram mais de 2300 empresas difíceis de rastrear pelas entidades de supervisão e regulação.

Empresas estas criadas com a intenção de ajudar os seus clientes a manter as suas atividades financeiras sob sigilo. As informações demonstram ainda que, deste modo, podem ser movimentadas largas quantias em dinheiro de uma só vez, havendo registos que indicam transações únicas de 200 milhões.

OS 10 MAIS

O ICIJ avança mesmo com uma tabela dos 10 bancos que mais requisitaram empresas offshores para os seus clientes. Aqui fica a lista, por ordem decrescente:

1 - Experta Corporate and Trust Services – uma filial do Banco Internacional do Luxemburgo, que ajuda as empresas a estruturar e a gerir investimentos. Requisitou quase 1700 offshores.

2 - Banque J. Safra Sarasin – Luxembourg S.A – Dedicada à banca privada e comercial, promete discrição e confidencialidade, conforme se lê no site. Curiosamente, e ainda de acordo com o site, é membro da Associação para a Garantia de Depósitos do Luxemburgo, “uma associação sem fins lucrativos que garante depósitos feitos por pequenas empresas e indivíduos, independentemente da sua nacionalidade ou país de residência”. Usou perto de mil sociedades offshores

3 - Crédit Suisse Channel Islands Limited – Uma subsidiária do Credit Suisse. Terá usado mais de 900 sociedades offshore.

4 - HSBC Private Bank (Monaco) S.A. – Dedicada á banca privada de investimento. Só gere contas acima de 5 milhões de dólares. Requisitou perto de 800 empresas offshores.

5 - HSBC Private Bank (Suisse) S.A. – do mesmo grupo da anterior, mas com sede na Suiça. A partir daqui foram usadas 733 sociedades offshores, mas o grupo suíço HSBC, através de várias filiais e sucursais, está apontado como tendo criado mais de 2300 empresas, no total.

6 - UBS AG (Succ. Rue du Rhone) – O União de Bancos Suiços (UBS), com sede em Genébra, Suiça, é já conhecido por encontrar soluções á medida dos seus clientes. Usou perto de 600 offshores.

7 - Coutts & Co. Trustees (Jersey) Limited – Localizada na ilha de Jersey, no Canal da Mancha, ao largo da costa francesa, território sob dependência do Reino Unido, esta instituição auto denomina-se de multiespecialista em serviços financeiros, como a criação e gestão de fundos de investimento. Tem como chairman, há cerca de um ano, Lord William Waldegrave, que além de uma forte carreira política no governo britânico e membro da Câmara dos Lordes, foi vice-chairman do UBS Investment Bank. Usou perto de 500 offshores.

8 - Societé Genérale Bank & Trust Luxembourg – Mais uma instituição radicada no Luxemburgo que se dedica à banca de investimento privada. Usou 465 entidades offshore.

9 - Landsbanki Luxembourg. S. A. – É um banco em processo de liquidação desde Dezembro 2008 e que pertencia na totalidade ao Landsbanki Islands hf, um banco da Islândia, que, devido á recente crise financeira do país, acabou sendo nacionalizado. A liquidação da sucursal do Luxemburgo deixou como principal credor o Banco Central do Luxemburgo (BCL), que concedeu empréstimos contra garantias que o Banco Mundial forneceu a esta subsidiária. Usou mais de 400 offshores.

10 - Rothschild Trust Guernsey Limited – Pertence ao banco Rothschild e gere fundos de investimento a partir de Guernsey, outra das ilhas do Canal da Mancha, ao largo da Costa francesa. Usou 378 empresas offshore.

http://visao.sapo.pt/actualidade/mundo/2016-04-04-Panama-HSBC-criou-mais-de-2300-offshore?utm_source=newsletter&utm_medium=mail&utm_campaign=newsletter&utm_content=2016-04-05

É quase tudo do Luzemburgo, a seguir Suiça.

Link to comment
Share on other sites

Quote

Os "precários" da Mossack Fonseca

05.04.2016 às 15h43

 

Dão a cara por empresas de papel que encobrem fortunas de políticos, criminosos e celebridades. Quem são os ricos mais pobres da sociedade de advogados envolvida nosPanama Papers?

 

Chama-se Leticia Montoya, é natural do Panamá e dona de quase 11 mil sociedades. Dona, vírgula. Leticia tem de facto o seu nome associado a resmas de empresas que só existem no papel que escondem os verdadeiros proprietários. Oficialmente, só ela é de carne e osso. O resto é segredo. Ou melhor, era.

Segundo variada documentação pública e notícias dispersas, Leticia é uma das pessoas que, em todo o mundo e em nome da Mossack Fonseca, dão a cara e o nome por sociedades cujo real proprietário recorreu aos serviços da firma agora visada nos Panama Papers. No papel, ela tem uma pilha milionária de empresas. Mas na verdade é isso mesmo: uma pilha. O resto é pura ficção. Ou quase.

Leticia vive em Vacamonte, um bairro popular do Panamá, que há uns anos foi notícia pelo lixo amontoado nos passeios, nas ruas e se tornou um problema de saúde pública. Segundo a Imprensa local, Leticia emprestou o nome à Mossack Fonseca por menos de 800 euros por mês e tornou-se “proprietária” de 10.967 sociedades criadas pela empresa que está no centro do mais recente escândalo relativo a contas offshore escondidas por políticos, criminosos e celebridades à volta do planeta.

Dar o nome tem custos que ela, se calhar, não imaginou nem pode pagar. Em 2014, por causa da ligação à Mossack Fonseca, foi chamada a um tribunal do Estado do Nevada, nos EUA – um território fiscal paralelo onde se multiplicam endereços de empresas fictícias - para explicar a sua relação com um suposto esquema de ocultação de dinheiro alegadamente ilícito que teria sido desviado por pessoas próximas de Cristina Kirchner, a antiga presidente da Argentina. Confrontada com as perguntas do tribunal, Leticia disse não ter qualquer informação sobre as 123 sociedades ligadas ao fundo que se suspeitava pertencer a um empresário ligado ao governo argentino. E não estava a mentir.

De acordo com uma reportagem da revista Vice sobre a Mossack Fonseca publicada em dezembro de 2014, no Nevada as leis apenas impõem que, nos registos públicos, apareça o nome de um agente residente e a identidade de um “gerente”. Mas não é obrigatório que qualquer deles seja...humano. “Essa separação falsa é uma tática empregue por muitos criadores de empresas de fachada porque permite que a empresa-mãe negue qualquer conexão com o seu escritório local se a merda chegar ao ventilador, de um ponto de vista legal”, explicou Ken Silverstein.

O nome de Leticia surgiu também associado a empresas envolvidas no escândalo de fraude, corrupção e lavagem de dinheiro de que é acusado um ex-dirigente da FIFA, Eugenio Figueiredo, detido na Suíça no ano passado, a pedido das autoridades dos EUA.

MIL E UMA LETÍCIAS

A Mossack Fonseca é uma das muitas sociedades opacas que recorre a estes precários do sistema para ocultar os verdadeiros donos de fortunas que lesam estados em todo o mundo. Outros anónimos do Panamá são “contratados” para esses fins a baixo custo, sem fazer perguntas nem levantar problemas. Dois outros cidadãos citados são Francis Perez, “dono” de 10.554 empresas, e Katia Solano, esta chefe de pessoal da Mossack , que empresta a sua identidade a mais de 500 empresas. Vários documentos que, nos últimos tempos, foram tornados públicos, indicam que a sociedade fundada em 1977, e que tem como sócios o filho de um oficial nazi (Jurgen Mossack) e um romancista arrependido (Ramón Fonseca Mora), chegou a gerir diversas empresas cuja direção era assegurada por uma pessoa falecida.

Em 2011, o escritor Trevor Cole, ao serviço do jornal The Globe and Mail, do Canadá, foi atrás dos escritórios da Mossack Fonseca para as Ilhas Virgens britânicas, nas Caraíbas. Entrou no edifício Akara, “rebocado de azul, por cima de um pequeno estúdio de fotografia e de um posto de turismo”. Não havia elevador para o terceiro andar, apenas uma escada estreita, mal iluminada, com tijoleira lascada, descreveu. Sem ficar especialmente impressionado, foi apresentado a duas senhoras. Explicou-lhes os seus objetivos – esconder dinheiro – e os receios de recorrer a tais expedientes, testando a reação nas interlocutoras. “Compreendo. Quer confidencialidade. Deseja permanecer anónimo. Não quer que se saiba que está por trás da empresa. É possível”, tranquilizou-o uma delas. “Muitas pessoas e grandes empresas fazem isso”, assegurou.

O escritor, na pele de repórter, descobriu que por algumas centenas de dólares por ano, um habitante local estaria disposto a fazer passar-se por administrador de uma sociedade de fachada, tendo como único instrumento de trabalho um carimbo que lhe permitisse validar documentos. Mas havia um senão: “Um testa-de-ferro, que ganha 300 dólares por ano não vai arriscar a vida pela pessoa a quem dá cobertura. Envia uma carta de demissão e vem tudo à baila”.

Talvez por isso, andemos todos, por estes dias, aos papéis.

Fdx se me derem 1000 euros por mês tambem podem usar o meu nome crl :-..

Link to comment
Share on other sites

 

 

Quote

 

"Se existem paraísos fiscais é porque existem infernos fiscais. Portugal é um."

Numa análise aos 'Panama Papers', André Abrantes do Amaral lamenta que esta situação provavelmente resultar numa caça às bruxas aos paraísos fiscais. Na sua opinião a "economia mundial vai ressentir-se bastante" se isso acontecer já que os paraísos são úteis dada a sua agilidade. O advogado frisa que a questão deve ser analisada do ponto de vista judicial, mas também ético.

 

 

Link to comment
Share on other sites

Portugal é um inferno fiscal? Que dizer dos outros países onde os impostos são muito maiores? 

E já agora, não se percebe pq é que em muitos casos, justamente quem aprova e estabelece estes infernos fiscais (classe política) é que dá o exemplo e esconde o dinheiro nos paraísos fiscais. Não percebo como é que este facto indesmentível, pode ser compatível com este argumento de que simplesmente, uma coisa só existe por causa da outra.

Concordo que uma caça às bruxas possa vir a ser prejudicial para a economia, já bastante frágil, mas chamo a atenção para o tipo de discurso que lentamente vamos começar a ouvir de "é na boa! A malta precisa de coisas destas! Isto é tudo perfeitamente legítimo... Se não é, então pq é que existe?" etc... 

Edited by HERiTAGE
Link to comment
Share on other sites

Create an account or sign in to comment

You need to be a member in order to leave a comment

Create an account

Sign up for a new account in our community. It's easy!

Register a new account

Sign in

Already have an account? Sign in here.

Sign In Now
 Share

  • Recently Browsing   0 members

    • No registered users viewing this page.
×
×
  • Create New...

Important Information

We have placed cookies on your device to help make this website better. You can adjust your cookie settings, otherwise we'll assume you're okay to continue.