Jump to content
Lancer

IGAC diz que é necessário aperfeiçoar leis e tecnologias antipirataria

Recommended Posts

IGAC diz que é necessário aperfeiçoar leis e tecnologias antipirataria
Hugo Séneca
2013-05-29-img_3165.jpg?v=w620h395
No Festival In, defensores do download livre e produtores de conteúdos esgrimiram argumentos. À distância, Nuno Markl e Tim criticaram a pirataria; o criador do movimento Pirata diz que o DRM vai acabar dentro de 15 anos.

Luís Silveira Botelho, Inspetor-Geral de Atividades Culturais (IGAC), admite que o cenário atual não facilita o combate à pirataria: «É necessário aperfeiçoar os mecanismos de controlo tecnológico e legislativo para o combater este problema que é transversal no mundo inteiro», referiu o líder da unidade de combate à contrafação de obras culturais em Portugal, à margem dos debates que tiveram lugar na versão Warm Up do Festival In, na FIL.

Luís Silveira Botelho admitiu ainda que faz sentido rever a atual lei de direitos de autor: «Há uma falta de proporcionalidade nesta lei, que prevê penas máximas de três anos de prisão tanto para um jovem de 16 anos que faz downloads ilegais, como para uma pessoa que faz negócio a distribuir pirataria na Internet».

O responsável pela IGAC considera que a Propriedade Intelectual (PI) é um princípio essencial para à evolução da economia e defende que o criador deverá sempre ter a última palavra sobre o que fazer com as obras que produz.

Autores Vs Piratas

As palavras de Silveira Botelho foram proferidas junto dos jornalistas – e por isso livraram-se dos argumentos mais ou menos acalorados que os representantes da indústria cultural e defensores do livre download trocaram durante um dos painéis do festival da indústria criativa, organizado pela Associação da Industrial Portuguesa (AIP) em parceria com o Município de Lisboa.

Paulo Santos, presidente da Associação para a Gestão de Direitos de Autor, Produtores e Editores (GEDIPE), abriu as hostilidades com um vídeo onde Tim, dos Xutos & Pontapés, e o humorista Nuno Markl apontam potenciais malefícios do livre download. O músico considera que a pirataria impede o aparecimento de novos talentos através da alegada redução de receitas encaminhadas para a indústria, enquanto Markl relembrou o espanto – e o desagrado – pelo facto de descobrir na Internet cópias integrais de um livro que escreveu.

Para Paulo Santos, é tempo de combater a pirataria através de organismos de autorregulação, que juntam autores, produtores, editores, distribuidores - e em especial os ISP e, eventualmente, as autoridades responsáveis pelo combate à pirataria. «Nos últimos anos, perdemos (a indústria cultural) 10 mil postos de trabalho», denunciou o líder da GEDIPE.

As palavras de Paulo Santos atiçaram as de Rick Falkvinge, fundador do Partido Pirata Sueco, que acusou o lóbi da indústria cultural e alguns governos de porem em causa as liberdades e os direitos fundamentais dos cidadãos com os vários mecanismos de combate à pirataria. O ex-presidente do Partido Pirata Sueco, que hoje mantém a atividade de evangelizador, não tem dúvidas de que a próxima geração, quando chegar ao poder, vai pôr termo ao debate aceso que hoje se assiste entre autores e defensores do livre download: «dentro de 10 a 15 anos, o DRM (de Digital Rights Management) vai acabar».

Falkvinge considera que a privacidade e a liberdade de acesso ao conhecimento têm de prevalecer sobre os interesses de negócio de quem distribui conteúdos. O fundador do movimento pirata distingue mesmo autores de editores e produtores de obras culturais. Sobre os editores e produtores diz ainda que «costumam dizer que nada têm contra a Internet, ao mesmo tempo que a tentam matar».

Igualmente contundente revelou-se Jérémie Zimmermann, líder do movimento francês Quadrature du Net, que não hesitou em comparar o DRM a umas algemas que permitem às grandes empresas lucrar com a venda das chaves que as abrem.

O ativista francês enalteceu os novos modelos de negócio como o crowdfunding que já movimentam centenas de milhões de euros e que comprovaram que é possível criar produtos culturais e manter, em simultâneo, a neutralidade da Internet. «Mas em primeiro lugar tempos de acabar com esta guerra à livre partilha da cultura e do conhecimento», acrescentou Zimmermann.

Sobre os mecanismos de autorregulação o ativista mostrou-se pessimista: «foi a autorregulação que criou aquilo que é a Apple hoje - uma empresa que controla tudo o que fazemos com os seus produtos e soluções.

Por o Nuno Markl e o Tim a ter este tipo de discurso com Jérémie Zimmermann e o Rick Falkvinge é a mesma coisa que por um palhaço e um físico a discutir as leis de newton...

Also gostaria só de lembrar um certo anuncio em que o Nuno Markl participou:

"puxa o filme markl puxa"

... sem netflix ^^ 130% legal

hipocrisia?

Edited by Lancer
  • Like 1

Share this post


Link to post
Share on other sites

Autores Vs Piratas

As palavras de Silveira Botelho foram proferidas junto dos jornalistas – e por isso livraram-se dos argumentos mais ou menos acalorados que os representantes da indústria cultural e defensores do livre download trocaram durante um dos painéis do festival da indústria criativa, organizado pela Associação da Industrial Portuguesa (AIP) em parceria com o Município de Lisboa.

Paulo Santos, presidente da Associação para a Gestão de Direitos de Autor, Produtores e Editores (GEDIPE), abriu as hostilidades com um vídeo onde Tim, dos Xutos & Pontapés, e o humorista Nuno Markl apontam potenciais malefícios do livre download. O músico considera que a pirataria impede o aparecimento de novos talentos através da alegada redução de receitas encaminhadas para a indústria, enquanto Markl relembrou o espanto – e o desagrado – pelo facto de descobrir na Internet cópias integrais de um livro que escreveu.

O que eles foram arranjar, o argumento do Tim, não faz sentido, até porque há artistas que se tornam conhecidos, quando a musica deles é espalhada pela pirataria, e o outro que escreve livros que ninguem quer comprar, onde a a pirataria permitiria que as pessoas tivessem acesso ao seu livro sem comprarem, e depois poderem decidir se fazem a compra ou não.

Edited by ghost_matrix

Share this post


Link to post
Share on other sites

este pessoal é tão parvo, o formato cd tem os dias contados


quem é que dá 10 ou 15 euros por 1 cd, quando o pode ter mais barato via net de forma legal, quando muitas vezes só querem algumas faixas, ou sacar mesmo de borla

olha a gaja a mia rose, é um belo exemplo do marketing gratuito que a net tem e o seu efeito brutal

os gajos tão é com medo e não aceitam que têm de evoluir e depressa

Share this post


Link to post
Share on other sites

Create an account or sign in to comment

You need to be a member in order to leave a comment

Create an account

Sign up for a new account in our community. It's easy!

Register a new account

Sign in

Already have an account? Sign in here.

Sign In Now

  • Recently Browsing   0 members

    No registered users viewing this page.

×

Important Information

We have placed cookies on your device to help make this website better. You can adjust your cookie settings, otherwise we'll assume you're okay to continue.