Jump to content
Lancer

Acapor Ameaça Processar Partido Pirata Por Calúnia

Recommended Posts

ACAPOR ameaça processar Partido Pirata por calúnia

Nuno Pereira, presidente da ACAPOR, duvida que o Partido Pirata Português tenha apresentado queixa da associação na PGR: "E se fizerem isso seguimos logo com uma queixa de denúncia caluniosa".

O presidente da associação que representa os clubes de vídeo desvaloriza as queixas individuais que seguiram para a Comissão Nacional de Proteção de Dados, mas lembra que não está disposto a deixar passar em branco a queixa crime que o Partido Pirata Português (PPP) alega ter encaminhado para a Procuradoria-Geral da República (PGR). Além de uma eventual indemnização, Nuno Pereira lembra que a queixa de denúncia caluniosa terá por objetivo "defender a honra da ACAPOR".

O presidente da ACAPOR considera que as queixas de pirataria apresentadas com base nos números de IP não violam a lei portuguesa.

"Um cidadão pode ter um número de BI, outro de Cartão de Contribuinte e outro de Carta de Condução. Mas há alguém que possa garantir que tem um número de IP em Portugal?", atenta Nuno Pereira numa alusão ao facto de os números de IP serem atribuídos de forma dinâmica aos internautas pelos operadores de telecomunicações.

Em reação a alguns rumores, o presidente da ACAPOR nega ter criado um site para atrair internautas interessados em fazer downloads ilegais e rejeita igualmente ter usado qualquer software específico para obter os números de IP dos utilizadores. "Os internautas sabem que estão a fornecer os números de IP nos sites que escolhemos para a recolha desses dados", acrescenta.

Segundo o responsável da ACAPOR, o PPP não tem legitimidade para apresentar queixa de acesso indevido aos dados pessoais dos internautas, uma vez que, segundo a lei nº 67/98, apenas as vítimas (neste caso, os utilizadores de sites de partilha de ficheiros visados pela acusação de pirataria) podem apresentar queixa nas autoridades.

O responsável da ACAPOR recusa fornecer detalhes sobre as mil denúncias apresentadas ontem - apenas admite que se tratam de casos de alegada pirataria detetados em sites de partilha de ficheiros.

***Este texto foi escrito ao abrigo do novo acordo ortográfico*** :blerk:

Chegou à nossa atenção a noticia de que a "ACAPOR ameaça processar Partido Pirata por calúnia", onde se lê que "Nuno Pereira, presidente da ACAPOR, duvida que o Partido Pirata Português tenha apresentado queixa da associação na PGR: "E se fizerem isso seguimos logo com uma queixa de denúncia caluniosa"."

O PPP declara que foram efectivamente apresentadas queixas na PGR e na CNPD, mas que de modo algum foram feitas com um teor calunioso, cingindo-se apenas a referências de declarações prestadas pelos responsáveis da ACAPOR no seu próprio site e à comunicação social aliadas aos artigos relevantes da Lei nº 67/98 da Protecção de Dados Pessoais. Tudo o resto fica para a interpretação das autoridades competentes.

Mas se dúvidas há, estamos cá para as esclarecer de uma forma totalmente transparente.

Aproveitamos também para desmistificar desde já algumas das aparentes "certezas"da ACAPOR:

" O presidente da ACAPOR considera que as queixas de pirataria apresentadas com base nos números de IP não violam a lei portuguesa.

"Um cidadão pode ter um número de BI, outro de Cartão de Contribuinte e outro de Carta de Condução. Mas há alguém que possa garantir que tem um número de IP em Portugal?", atenta Nuno Pereira numa alusão ao facto de os números de IP serem atribuídos de forma dinâmica aos internautas pelos operadores de telecomunicações."

  1. Segundo o Artigo 3.º da Lei nº 67/98, entende-se por:
  • a) 'Dados pessoais': qualquer informação, de qualquer natureza e independentemente do respectivo suporte, incluindo som e imagem, relativa a uma pessoa singular identificada ou identificável ('titular dos dados'); é considerada identificável a pessoa que possa ser identificada directa ou indirectamente, designadamente por referência a um número de identificação ou a um ou mais elementos específicos da sua identidade física, fisiológica, psíquica, económica, cultural ou social;
  1. Segundo uma outra noticia no TeK:
    "Para além dos endereços de IP foram também recolhidos dados como a data, hora e o fornecedor de serviço de Internet (ISP) associado, que permitirão ao Ministério Público pedir a identificação dos implicados, caso este entenda dar continuidade aos processos."
  2. Segundo uma outra noticia na SIC:
    "A ACAPOR capturou os respectivos IP (Internet Protocol, um endereço 32 bits que identifica o operador e o usuário), com dia e hora, dois factores essenciais para a identificação pois o IP é mutável"
  3. Um IP, quando acompanhado da "data, hora e o fornecedor de serviço de Internet (ISP)" não é nada mais nada menos do que um "número de identificação" permitindo que uma pessoa "possa ser identificada directa ou indirectamente" mediante consulta aos registos que os ISP's passaram a ser obrigados a guardar durante um ano devido à lei 32/2008 de 17 de Julho, que entrou em vigor, a 5 de Agosto de 2009, tal como um qualquer "número de BI", de "Cartão de Contribuinte" ou de "Carta de Condução" que só ganham significado quando consultado nos registos do Estado o nome que lhes está associado e não é por isso que deixam de ser "Dados Pessoais".
  4. Fica provada a inclusão dos IP's na categoria legal de "Dados Pessoais".
  5. O PPP acha no mínimo engraçado que o presidente da ACAPOR passe agora a achar que afinal os IP's não podem identificar ninguém só porque são "atribuídos de forma dinâmica"…
"Segundo o responsável da ACAPOR, o PPP não tem legitimidade para apresentar queixa de acesso indevido aos dados pessoais dos internautas, uma vez que, segundo a lei nº 67/98, apenas as vítimas (neste caso, os utilizadores de sites de partilha de ficheiros visados pela acusação de pirataria) podem apresentar queixa nas autoridades."

  1. Segundo o Artigo 113º nº 1 do Código Penal:
  • "Quando o procedimento criminal depender de queixa, tem legitimidade para apresentá-la, salvo disposição em contrário, o ofendido, considerando-se como tal o titular dos interesses que a lei especialmente quis proteger com a incriminação."
  1. Segundo o Artigo 33.º da Lei nº 67/98:
  • "Sem prejuízo do direito de apresentação de queixa à CNPD, qualquer pessoa pode, nos termos da lei, recorrer a meios administrativos ou jurisdicionais para garantir o cumprimento das disposições legais em matéria de protecção de dados pessoais."

[*]Como tal, o Artigo33º da Lei nº67/98 serve como "disposição em contrário" ao Artigo 113º nº1 do Código Penal, concedendo o direito de apresentação de queixa (neste caso por acesso indevido aos dados pessoais dos internautas) a "qualquer pessoa".[*]Sendo assim foi apresentada uma queixa pelo crime semi-público de "Acesso indevido"

(Artigo 44º da Lei nº 67/98)[*]Foi apresentada uma denuncia pelo crime público de "Não cumprimento de obrigações relativas a protecção de dados" (Artigo 43º da Lei nº 67/98)[*]O PPP acha no mínimo engraçado que o presidente da ACAPOR consiga ler na lei o exacto oposto do que ela especifica.

"O responsável da ACAPOR recusa fornecer detalhes sobre as mil denúncias apresentadas ontem – apenas admite que se tratam de casos de alegada pirataria detectados em sites de partilha de ficheiros."

TeK:

[*]Segundo a outra noticia no

"Questionado pelo TeK sobre a forma como foram conseguidos os endereços IP mencionados nos processos, Nuno Pereira não quis explicar como chegaram à informação, mas em comunicado oficial é referido que "o trabalho da ACAPOR consistiu na recolha de dados que estavam disponíveis publicamente, não tendo, em momento algum, invadindo ambientes privados, mesmo que virtuais".[*]Segundo a outra noticia na SIC:

""Se houver dúvidas sobre a forma como o fizemos nós iremos responder ao ministério público", disse Nuno Pereira."[*]O PPP acha no mínimo engraçado que o presidente da ACAPOR tenha tanto receio de revelar como a ACAPOR obteve as informações que divulgou, afinal "quem não deve não teme".[*]No entanto o PPP não tem dúvidas que irão responder ao Ministério Público, era no mínimo engraçado se não o fizessem…

Texto revisto para português sem acordo ortográfico, porque os factos não se vestem, constatam-se! :clap:

os smileys como é obvio não faziam parte do texto original :P

edit1:

Aproveito para lembrar que o PPP está a recolher assinaturas (7500) para realmente andarem para a frente. Tenho no entanto uma dúvida quanto a isto, partindo do princípio que forneço a minha assinatura para ajudar a formação do partido, como é que são tratados os dados? O que quero dizer é, se o PPP se vir metido nalguma trapalhada eu também acabaria envolvido? (é a única coisa que me está a reter neste momento)

edit2:

Já agora posto aqui este vídeo que mostra bem a hipocrisia do presidente da ACAPOR no final http://videos.sapo.pt/o2yNwZsy7MBJTZjCWalp

"Tal como crime também é considerada a reprodução ilegal de obras escritas"

Jornalista: Alguma vez estudou por fotocopias?

Nuno Pereira (presidente da ACAPOR): É possível que tenha estudado por fotocopias...

Edited by Lancer

Share this post


Link to post
Share on other sites

A pergunta das fotocópias do jornalista ao gajo é deveras um WIN do jornalista. O gajo fica completamente agarrado.

Sobre o acordo, algumas coisas até se aceitam, mas facto é um exemplo gritante, porque pelo menos aqui na zona, o c não é mudo para cair como se não fosse usado.

Share this post


Link to post
Share on other sites

A pergunta das fotocópias do jornalista ao gajo é deveras um WIN do jornalista. O gajo fica completamente agarrado.

Sobre o acordo, algumas coisas até se aceitam, mas facto é um exemplo gritante, porque pelo menos aqui na zona, o c não é mudo para cair como se não fosse usado.

:dumb:

Mas ainda há quem venha com o choradinho de que a palavra facto perdeu o C ?

Cultivem-se.

Share this post


Link to post
Share on other sites

O "C" só cai quando é mudo. Como não é mudo, o facto continua a ser facto.

Agora por exemplo a palavra "Objecto" vai passar a ser "Objeto", pois o "C" é mudo. Embora eu não continue a não concordar lol

Share this post


Link to post
Share on other sites

Se era tão dispensável o comentário ao acordo porque é que todos os jornais e artigos de hoje em dia insistem em incluir aquela mensagem no fim? É para "parecer bem".

O PPP simplesmente realçou que está a apresentar fatos e não a embelezar um texto.

***Este texto foi escrito ao abrigo do novo acordo ortográfico***

@revenge,

"facto" segundo o acordo passa a ter a variante "fato" o que vai ser bastante divertido.

"Que fato impressionante!"

"São fatos da vida..."

"De fato é azul."

@kramer:

és sempre do contra? ;)

Share this post


Link to post
Share on other sites
BASE IV: DAS SEQUÊNCIAS CONSONÂNTICAS

1 O c, com valor de oclusiva velar, das sequências interiores cc (segundo c com valor de sibilante), cç e ct, e o p das sequências interiores pc (c com valor de sibilante), pç e pt, ora se conservam, ora se eliminam.

Assim:

a) Conservam-se nos casos em que são invariavelmente proferidos nas pronúncias cultas da língua: compacto, convicção, convicto, ficção, friccionar, pacto, pictural; adepto, apto, díptico, erupção, eucalipto, inepto, núpcias, rapto;

b ) Eliminam-se nos casos em que são invariavelmente mudos nas pronúncias cultas da língua: ação, acionar, afetivo, aflição, aflito, ato, coleção, coletivo, direção, diretor, exato, objeção; adoção, adotar, batizar, Egito, ótimo;

c) Conservam-se ou eliminam-se facultativamente, quando se proferem numa pronúncia culta, quer geral, quer restritamente, ou então quando oscilam entre a prolação e o emudecimento: aspecto e aspeto, cacto e cato, caracteres e carateres, dicção e dição; facto e fato, sector e setor, ceptro e cetro, concepção e conceção, corrupto e corruto, recepção e receção;

d) Quando, nas sequências interiores mpc, mpç e mpt se eliminar o p de acordo com o determinado nos parágrafos precedentes, o m passa a n, escrevendo-se, respetivamente, nc, nç e nt: assumpcionista e assuncionista; assumpção e assunção; assumptível e assuntível; peremptório e perentório, sumptuoso e suntuoso, sumptuosidade e suntuosidade.

c) Conservam-se ou eliminam-se facultativamente, quando se proferem numa pronúncia culta, quer geral, quer restritamente, ou então quando oscilam entre a prolação e o emudecimento: aspecto e aspeto, cacto e cato, caracteres e carateres, dicção e dição; facto e fato, sector e setor, ceptro e cetro, concepção e conceção, corrupto e corruto, recepção e receção;

c) Conservam-se ou eliminam-se facultativamente,

facultativamente

Edited by Kinas_

Share this post


Link to post
Share on other sites

Tau? :unsure:

Share this post


Link to post
Share on other sites

Kinas LOOOLLLL

Eu não acredito que ainda andam com essa do facto. Já foi dito mais de 1000 vezes que não perde a consoante.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Kinas LOOOLLLL

Eu não acredito que ainda andam com essa do facto. Já foi dito mais de 1000 vezes que não perde obrigatoriamente a consoante.

Fixed! :-..

Share this post


Link to post
Share on other sites

Com a crise que estamos, é óbvio que ele está na poupa. ^^

Share this post


Link to post
Share on other sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

Loading...

  • Recently Browsing   0 members

    No registered users viewing this page.

×
×
  • Create New...

Important Information

We have placed cookies on your device to help make this website better. You can adjust your cookie settings, otherwise we'll assume you're okay to continue.