Jump to content
Sign in to follow this  
Jokeman

Os Graffitis De Pompeia

Recommended Posts

As frases revelam aspectos curiosos e hilariantes do dia-a-dia de uma cidade romana: gladiadores garanhões, amores desencontrados, paixões assolapadas, rivalidades, insultos, provocações e zangas.

Por exemplo, um problema muito irritante para o dono de uma casa em Pompeia era a quantidade de vezes que os seus muros eram usados para defecar. Farto de tanta porcaria à porta de casa, um deles inscreveu o seguinte: «Cuidado, tu que cagas neste sítio! Que a ira de Júpiter se abata sobre ti se ignorares este aviso!» Alguns não só faziam o serviço como se davam trabalho de deixar o testemunho para a posteridade: «Apollinaris, médico do Imperador Titus, defecou bem aqui».

Há quase dois mil anos os amores também se eternizavam assim: «Auge ama Allotenus». Há muitas mensagens como esta nas paredes de Pompeia, mudando só os nomes. E num quarto do que se pensa ter sido um pequeno bordel, uma declaração de amor: «Vibius Restitutus dormiu aqui sozinho e teve saudades da sua querida Urbana».

As fanfarronices também existiam nesses tempos, como se pode ver pela inscrição encontrada nos aposentos de um gladiador: «Celladus, o gladiador, faz as mulheres gemer!»

O graffiti chegava a ser usado como sistema de troca de mensagens entre dois homens lutando pela mesma mulher.

Severus escreve: «O tecelão Successus ama a escrava do estalajadeiro, Íris. Ela, contudo, não o ama. Mesmo assim, ele suplica-lhe que tenha pena dele. Quem escreve isto é o seu rival. Adeus.»

Resposta de Successus: «Invejoso, por que razão me desafias e te colocas no meu caminho? Submete-te a um homem mais bonito mas que está a ser tratado de forma errada».

Nova resposta de Severus: «Eu falei. Escrevi tudo o que tinha a dizer. Tu amas Íris, mas ela não te ama a ti».

Também puderam ser descobertas mensagens mais explícitas: «Myrtis, tu fazes grandes broches» ou então esta, assinada por Restitutus: «Restituta, tira a tua túnica, por favor, e mostra-me as tuas partes privadas peludas.»

O velho companheirismo macho: «Se alguém se sentar aqui, que leia isto primeiro: quem quiser uma queca deve procurar pela Attice; ela cobra 4 sestércios.»

Maldições quotidianas: «Chie, espero que as tuas hemorróidas se esfreguem muito umas nas outras para que te doa ainda mais do que tem doído!»

Declarações filosóficas: «Lucro é felicidade!» Ou esta: «O dinheiro não cheira mal!»

Este sítio contém algumas das inscrições aqui citadas. Este contém ainda mais.

Tantas tecnologias depois, não somos fundamentalmente diferentes dos homens e mulheres que viveram em Pompeia há quase dois mil anos.

Já agora, alguma informação geral, retirada da mesma fonte:

02.jpg

Mesmo não sendo especialistas na história do Império Romano, quase todos ouvimos falar de uma cidade chamada Pompeia, situada a cerca de 22 quilómetros de Nápoles, na Itália.

A 5 de Fevereiro de 62 d.C, deu-se um terramoto que os investigadores acreditam ter sido de 7.5 na escala de Ritcher.

Os tremores de terra eram frequentes naquela região, mas este devastou templos, casas, pontes e estradas. Nenhum edifício escapou ileso. Grandes incêndios provocados pela queda de candeeiros a óleo aumentaram o caos.

Muitos saíram da cidade para nunca mais voltar. Os que ficaram – ninguém sabe ao certo quantos – dedicaram-se à reconstrução de Pompeia.

A 24 de Agosto ou 23 de Novembro do ano 79 d.C. (não existe uma teoria definitiva sobre a data certa), o monte Vesúvio entrou em erupção. Uma catastrófica erupção.

Choveram sobre a cidade ainda em reconstrução pedras incandescentes, lama, poeiras e cinzas; um rio de lava vulcânica arrasou-a por completo. Quase todos os habitantes morreram.

De um dia para o outro, uma cidade a recuperar das feridas de um terramoto ocorrido há 17 anos foi sepultada para sempre sob um manto de cinzas e pedras vulcânicas com 4 a 6 metros de espessura.

Pompeia só veio a ser descoberta em 1599 – mais de 1500 anos depois. As paredes então reveladas continham pinturas eróticas, muito pouco apropriadas ao espírito beato e rigoroso da época, pelo que foram novamente cobertas.

Pompeia foi redescoberta em 1748. As escavações revelaram então uma cidade petrificada no tempo e, por isso, um valioso espólio arqueológico.

01.jpg

O arqueólogo Giuseppe Forelli tomou conta das operações a partir de 1860. Nas primeiras escavações, foram encontrados espaços vazios na camada de cinzas e, nesses espaços, restos humanos.

Forelli percebeu que se preenchesse esses espaços com gesso e depois retirasse cuidadosamente a cinza, ficaria com um molde dos corpos no exacto momento em que foram apanhados pela erupção. Esta técnica permitiu saber o que estavam a fazer, em que posição se encontravam e até o que vestiam as pessoas na altura da morte.

Ao contrário do que eu pensava antes de googlar informação para escrever este artigo, o que se vê nas fotos de Pompeia não são corpos mumificados, mas um vazio esculpido pelas cinzas ao qual um brilhante arqueólogo aplicou uma forma e uma espessura em gesso.

Fantasmas de gesso de um passado distante, mas nem por isso menos humanos ou impressionantes.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

Loading...
Sign in to follow this  

  • Recently Browsing   0 members

    No registered users viewing this page.

×
×
  • Create New...

Important Information

We have placed cookies on your device to help make this website better. You can adjust your cookie settings, otherwise we'll assume you're okay to continue.