Jump to content
Sign in to follow this  
tufao

Pc Eescola

Recommended Posts

Bom dia pessoal.

A minha irmã tentou pedir um portátil da eescola á vodafone, ao qual eles responderam que não estavam a disponibilizar portáteis no momento, então ela foi á optimus ao qual responderam que não davam portateis a quem tinha escalão, portanto sobrou a tmn a qual ela tentou e diz que de momento não está disponivel.

Alguem sabe como posso dar a volta a isto, eu já pensei que poderá ter sido por ela usar a senha que lhe deram para pedir á vodafone que agora não dá na tmn.

Se alguem ja teve na mesma situação que possa ajudar agradecia.

Share this post


Link to post
Share on other sites

enviei a documentação toda para a vodafone. eles disseram que de momento não estavam a dar portateis. então tentei na tmn e lá diz que esta temporariamente indisponivel.

Share this post


Link to post
Share on other sites

fizeste através do site online da inscrição?

sinceramente acho que isso do e.escolas esta a acabar... porque já nem a portáteis disponíveis na tmn... eles estão é a despachar o stock que eles tem!

Share this post


Link to post
Share on other sites

e-escola serviu para distrair alunos

A banalização do acesso à banda larga nas escolas, conseguido através do programa e-escola, gerou um impacto negativo, reflectido nas notas dos exames nacionais de português e matemática do 9º e 12º ano.

As conclusões são de um estudo apresentado na semana passada no ISEG e que em breve será publicado na revista Review of Economics and Statistics, como relata o Jornal de Negócios na edição desta manhã.

O documento é a primeira análise realizada ao impacto da medida que facilitou a alunos e docentes a compra de portáteis com ligação à Internet, em condições especiais. Mostra que, em termos médios, as notas escolares baixaram entre 7,7 por cento no período entre 2005 e 2008 e 6,3 por cento, no período entre 2005 e 2009 "devido ao uso da banda larga".

"O nosso argumento central para um declínio no desempenho dos estudantes é o de que a banda larga cria distracções", defendem os autores, que não vêem na introdução de novidades tecnológicas nas escolas o único ingrediente necessário para gerar mudanças positivas.

"Os nossos resultados sugerem que a introdução desta tecnologia no ambiente escolar tem de ser complementada com políticas que a integrem no sistema de educação, de forma a promover o uso produtivo da Internet".

"Isto pode ser especialmente verdade para os estudantes no início do secundário, que, sem monitorização adequada, poderão envolver-se em actividades que os distraiam", continuam.

No documento também se conclui que os rapazes foram os mais prejudicados com a medida, por serem os mais susceptíveis a distracções.

Vale ainda a pena sublinhar, que os autores do estudo admitem que o efeito identificado possa tender a dissipar-se no tempo, como sugere a ligeira diminuição do impacto negativo da medida verificado nos valores obtidos para o período 2005/2009, face aos valores obtidos para o período 2005/2008.

As conclusões do "Impact of Broadband in Schools: Evidence from Portugal" foram apuradas por Rodrigo Belo, Pedro Ferreira e Rahul Telang da Universidade Técnica, Universidade Católica e da Carnegie Mellon University.

Recorde-se que o e-escola foi introduzido para facilitar o acesso às Tecnologias da Informação nas escolas. Tirou partido das verbas disponibilizadas pelos operadores no âmbito dos compromissos para o desenvolvimento da Sociedade da Informação, assumidos com a atribuição das licenças para operar a terceira geração móvel. Estas verbas permitiram subsidiar fortemente o preço dos computadores.

bom... a culpa e do socrates? :curtain:

Share this post


Link to post
Share on other sites

e-escola serviu para distrair alunos

A banalização do acesso à banda larga nas escolas, conseguido através do programa e-escola, gerou um impacto negativo, reflectido nas notas dos exames nacionais de português e matemática do 9º e 12º ano.

As conclusões são de um estudo apresentado na semana passada no ISEG e que em breve será publicado na revista Review of Economics and Statistics, como relata o Jornal de Negócios na edição desta manhã.

O documento é a primeira análise realizada ao impacto da medida que facilitou a alunos e docentes a compra de portáteis com ligação à Internet, em condições especiais. Mostra que, em termos médios, as notas escolares baixaram entre 7,7 por cento no período entre 2005 e 2008 e 6,3 por cento, no período entre 2005 e 2009 "devido ao uso da banda larga".

"O nosso argumento central para um declínio no desempenho dos estudantes é o de que a banda larga cria distracções", defendem os autores, que não vêem na introdução de novidades tecnológicas nas escolas o único ingrediente necessário para gerar mudanças positivas.

"Os nossos resultados sugerem que a introdução desta tecnologia no ambiente escolar tem de ser complementada com políticas que a integrem no sistema de educação, de forma a promover o uso produtivo da Internet".

"Isto pode ser especialmente verdade para os estudantes no início do secundário, que, sem monitorização adequada, poderão envolver-se em actividades que os distraiam", continuam.

No documento também se conclui que os rapazes foram os mais prejudicados com a medida, por serem os mais susceptíveis a distracções.

Vale ainda a pena sublinhar, que os autores do estudo admitem que o efeito identificado possa tender a dissipar-se no tempo, como sugere a ligeira diminuição do impacto negativo da medida verificado nos valores obtidos para o período 2005/2009, face aos valores obtidos para o período 2005/2008.

As conclusões do "Impact of Broadband in Schools: Evidence from Portugal" foram apuradas por Rodrigo Belo, Pedro Ferreira e Rahul Telang da Universidade Técnica, Universidade Católica e da Carnegie Mellon University.

Recorde-se que o e-escola foi introduzido para facilitar o acesso às Tecnologias da Informação nas escolas. Tirou partido das verbas disponibilizadas pelos operadores no âmbito dos compromissos para o desenvolvimento da Sociedade da Informação, assumidos com a atribuição das licenças para operar a terceira geração móvel. Estas verbas permitiram subsidiar fortemente o preço dos computadores.

bom... a culpa e do socrates? :curtain:

1º - Gostava de saber como é que conseguem provar que os alunos ficaram mais distraídos devido a usarem pcs com acesso à Internet. Toda a gente sabe que é verdade, apenas pelo senso comum ou por experiência própria, mas mesmo assim, gostava de saber como é que chegaram, oficialmente, a essa conclusão.

2º - Toda a gente sabia que haveria um impacto negativo no rendimento dos alunos. Toda a gente sabia e nada se fez, ou pelo menos, quem manda, nada fez. Talvez estivesse mais interessado em saber quanto iria ganhar por baixo da mesa se o projecto avançasse.

3º - Gosto, particularmente, do ponto que diz que o efeito se irá dissipar com o tempo, ou seja, as notas/rendimento, seja lá o que for, baixou, mas com o tempo se vai generalizar, passando a ser normal, ou seja, todos irão ficar um pouquinho mais burros mas não faz mal porque o "mal" é distribuído por todos, logo não se vai notar... É mais uma prova da baixa exigência que é pedida à juventude estudantil dos nossos dias...

Mas isso sou eu, que sou mau feitio... <_<

Share this post


Link to post
Share on other sites

e-escola serviu para distrair alunos

O documento é a primeira análise realizada ao impacto da medida que facilitou a alunos e docentes a compra de portáteis com ligação à Internet, em condições especiais. Mostra que, em termos médios, as notas escolares baixaram entre 7,7 por cento no período entre 2005 e 2008 e 6,3 por cento, no período entre 2005 e 2009 "devido ao uso da banda larga".

1º - Gostava de saber como é que conseguem provar que os alunos ficaram mais distraídos devido a usarem pcs com acesso à Internet. Toda a gente sabe que é verdade, apenas pelo senso comum ou por experiência própria, mas mesmo assim, gostava de saber como é que chegaram, oficialmente, a essa conclusão.

deduzo que tenham ido la pelas notas finais dos exames nacionais?

Share this post


Link to post
Share on other sites

e-escola serviu para distrair alunos

O documento é a primeira análise realizada ao impacto da medida que facilitou a alunos e docentes a compra de portáteis com ligação à Internet, em condições especiais. Mostra que, em termos médios, as notas escolares baixaram entre 7,7 por cento no período entre 2005 e 2008 e 6,3 por cento, no período entre 2005 e 2009 "devido ao uso da banda larga".

1º - Gostava de saber como é que conseguem provar que os alunos ficaram mais distraídos devido a usarem pcs com acesso à Internet. Toda a gente sabe que é verdade, apenas pelo senso comum ou por experiência própria, mas mesmo assim, gostava de saber como é que chegaram, oficialmente, a essa conclusão.

deduzo que tenham ido la pelas notas finais dos exames nacionais?

Certo, mas como é que conseguem provar que foi por causa do E-escola?

Share this post


Link to post
Share on other sites

No meu tempo era graças ao CM e ao AOE2... Raios partam a porcaria desses 2 jogos, que mesmo com testes no dia a seguir... tinha que jogar!!

:-..

As distracções sempre houveram e sempre haverão!! Isso não é desculpa!

Share this post


Link to post
Share on other sites

As conclusões desses estudo só me levam a concluir que a introdução das novas tecnologias nas universidades promove distracção no pessoal que se dedica a fazer estudos.

É preciso ter uma imaginação muito fértil para concluir que a descida dos resultados nos exames é consequência directa do programa e-escolas.

É um facto que o e-escolas foi e continua a ser em sua larga escala um engodo e acima de tudo mais uma grande oportunidade perdida para melhorar o ensino em Portugal. Quando o eng. Sócrates anunciou este programa (que se enquadra no projecto mais alargado do Plano Tecnológico da Educação), pensei que finalmente a escola iria passar tirar o melhor partido das novas tecnologias despertando nos alunos novo interesse pelas aprendizagens através dos computadores. As minhas expectativas desapareceram quase de imediato quando se verificou que os computadores seriam entregues às crianças, mas não havia nenhum plano de formação para professores, nem qualquer tipo de norma que obrigasse os alunos a usar os computadores em contexto escolar.

Basicamente este programa serviu para DAR computadores aos putos (e a alguns pais) para jogar (no caso do Magalhães) e para ir para o Hi5 e para o Facebook (no caso dos jovens e adolescentes).

Ainda amanhã (4.ª-Feira) tenho uma aula de Área de Projecto por volta das 15:30 onde estou a ensinar miúdos do 5.º ano de escolaridade no processamento de texto em Word. Foi o cabo dos trabalhos conseguir que trouxessem os seus portáteis. Alguns dos encarregados de educação não deixam simplesmente os seus educandos trazerem os portáteis para a escola. Que grande contra-censo.

Depois há o problema dos professores não estarem minimamente habilitados para tirar partido dos portáteis do e-escolas. A maioria adquiriu portátil para trabalhar para a escola, nomeadamente para utilização com os quadros interactivos. Mas tudo o que seja trabalho em rede com os alunos em ambiente de sala de aula é completamente chinês. Já no caso dos professores do 1.º Ciclo com o Magalhães, como o estado só lhes permite ter o computador se pagarem aproximadamente 250 euros, quase nenhum professor do 1.º ciclo tem Magalhães, logo, não o usam na sala de aula com os alunos, já que o sistema do Magalhães traz consigo software de E-Learning que permite a um professor ligar-se em rede com os alunos dentro da sala.

A única coisa positiva do PTE até agora foram os quadros interactivos e datashows e a internet de banda larga nas escolas. Tudo o resto é uma palhaçada de todo o tamanho.

PS: Tenho dezenas de miúdos que ao fim de um ano já andavam com as teclas dos portáteis num bolso e espalhadas pelo chão. Os alunos carenciados e mais "brutos", esses então, tiveram direito ao portátil de borla e já os foderam todos a jogar CounterStrike e GTA.

Share this post


Link to post
Share on other sites

JLDR

Realmente é engraçado verificar a realidade como tu o dizes , e depois ver as noticias nos media !!!

grande sucesso bla bla !!!!!!

tou ligado ao ramo das telecomunicaçoes , voces nem imaginam no inicio do projecto as pessoas que apareciam com facturas de banda larga para pagar com valores brutais !!!

Share this post


Link to post
Share on other sites

E cagarem nos Magalhães e afins e ensinarem mas é aos putos qq coisinha?

Nem vás mais longe.

Das duas turmas que tenho em Área de Projecto, uma delas tem alunos mais desenvolvidos que acompanham bem as actividades. A outra turma foi necessário reformular toda a programação prevista e estamos neste momento a ensiná-los a ler e interpretar o que lêem.

É urgente sublinhar necessidades primordiais: saber ler, falar e escrever; saber fazer contas; saber ser gente.

Depois podem vir os computadores.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

Loading...
Sign in to follow this  

  • Recently Browsing   0 members

    No registered users viewing this page.

×
×
  • Create New...

Important Information

We have placed cookies on your device to help make this website better. You can adjust your cookie settings, otherwise we'll assume you're okay to continue.